As Virgens Suicidas - Jeffrey Eugenides | RESENHA

2.10.17
Foto: Leitora Cretina
Olá, leitores! Tudo bem?

Depois de um bom tempo sem resenhas por aqui (faculdade me dominou e eu não estava conseguindo ler nada), elas estão de volta!! O livro que escolhi para fazer esse retorno foi "As Virgens Suicidas" do Jeffrey Eugenides, livro que conheci através do canal da Beatriz Paludetto (recomendo muito para vocês!).



Resultado de imagem para as virgens suicidas capa
Título: As Virgens Suicidas 
Título Original: The Virgin Suicides
Volume Único 
Autor(a): Jeffrey Eugenides 
Ano: 2013 
Editora: Companhia das Letras
Número de Páginas: 232 páginas 
Nota:    
SINOPSE: Num típico subúrbio dos Estados Unidos nos anos 1970, cinco irmãs adolescentes se matam em sequência e sem motivo plausível. A tragédia, ocorrido no seio de uma família que, em oposição aos efeitos já perceptíveis da revolução sexual, vive sob severas restrições morais e religiosas, é narrada pela voz coletiva e fascinada de um grupo de garotos da vizinhança. O coro lírico que então se forma ajuda a dar um tom sui generis a esta fábula da inocência perdida. Adaptado ao cinema por Sofia Coppola, publicado em 34 idiomas e agora em nova tradução, o livro de estreia de Jeffrey Eugenides logo se tornou um cult da literatura norte-americana contemporânea. Não por acaso: essa obra de beleza estranha e arrebatadora, definida pela crítica Michiko Kakutani como "pequena e poderosa ópera no formato inesperado de romance", revela-se ainda hoje em toda a sua atualidade.

ENREDO:
O livro se passa nos anos 70, onde misteriosamente as 5 irmãs Lisbon se suicidam. A situação que marca toda a vizinhança será narrada pelos vizinhos, e junto com o leitor, tentarão entender o que aconteceu.
Foto: Leitora Cretina
MINHA OPINIÃO:
As irmãs Lisbon Cecilia (13 anos), Lux (14 anos), Bonnie (15 anos), Mary (16 anos) e Therese (17 anos) viviam com os pais num subúrbio dos Estados Unidos e estavam sendo observadas pelos vizinhos que eram apaixonados por elas, e será por meio dessa visão que conheceremos toda a história das meninas. 

A primeira a se suicidar é Cecilia, e ninguém consegue entender porque uma menina tão jovem gostaria de acabar com sua vida, mas aos poucos, a sociedade vai atribuindo motivos variados a respeito.
"Eram baixinhas, com nádegas apertadas nas calças de brim e bochechas redondas que lembravam a mesma maciez dorsal. Sempre que conseguíamos dar uma espiadela, seus rostos pareciam uma revelação indecente, como se estivéssemos acostumados a ver apenas mulheres de véu. Ninguém conseguia entender como o sr. e a sra. Lisbon tinham produzido filhas tão bonitas".

As outras 4 irmãs estavam tentando retomar suas vidas, indo a escola (mesma escola onde o pai era professor), mas conforme o livro vai passando vemos que a mãe das meninas tenta isolá-las dentro de casa. Com os vizinhos observando, as irmãs começam a se manifestar de diversas formas, e novamente, a sociedade enxerga suas atitudes como uma forma traumática de lidar com a morte da irmã.

O que eu esperava desse livro não foi exatamente o que eu recebi ao concluí-lo, principalmente do final. Pela narração ser tão impessoal (narrada pelos vizinhos), é quase impossível saber o que estava realmente acontecendo com as irmãs dentro de casa e dentro de suas cabeças, o que aconteceu com seus pais... o que temos é uma visão desses vizinhos com uma paixão obsessiva tentando entender o que estava acontecendo. Boa parte do livro consiste em descrições das ações das irmãs e teorias a seu respeito, e foi por conta dessa tentativa dos vizinhos de se envolverem na história dos Lisbon que não me senti cansada da escrita, entretanto, vale ressaltar que as coisas acontecem de forma bem lentaA escrita do autor é um pouco densa, que exige maior atenção durante a leitura.
"... Elas nos fizeram participar de sua própria loucura, porque não conseguíamos deixar de refazer seus passos, repassar seus pensamentos, e ver que nenhum deles conduzia até nós."

O livro traz uma reflexão a respeito do suicídio: quantas pessoas estão precisando de ajuda e não possuem?

Eu entendo que a real intenção do autor tenha sido manter os motivos dos suicídios em sigilo, talvez para mostrar que há coisas que fogem do nosso entendimento. Entretanto, ainda senti falta das respostas concretasÉ um livro bom, que faz o leitor pensar e refletir, que prende para descobrir mais sobre a família Lisbon, porém, senti a sensação de "vazio" ao concluí-lo, justamente pela falta de respostas.
"A cicatriz pode estar tanto sobre o coração como no joelho. Não sabemos. Tudo o que podemos fazer é seguir tateando pernas e braços até chegar ao macio torso bivalve, até o rosto imaginado. Está falando conosco. Mas não conseguimos escutar."

SOBRE A EDIÇÃO:
Li o livro em e-book, então não posso falar da diagramação do livro. Eu não gostei nada dessa capa nacional, não que a original seja muito bonita também, mas prefiro essa última.

O livro recebeu uma adaptação cinematográfica que pretendo ver em breve e trazer uma comparação para vocês. Vocês querem?
Resultado de imagem para as virgens suicidas capa10956
Resultado de imagem para as virgens suicidas capa

Beijão!

15 comentários:

  1. Oi, Mônica!

    Acho interessante livros que tratam desse tema, mas como você mesmo ressaltou, preferiria ler os acontecimentos pela perspectiva das próprias garotas, assim poderíamos ter pelo menos uma ideia do que se passa com pessoas que precisam de ajuda. Mesmo assim, a história me interessou!

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lídia!
      Acho que teria dado uma nota ainda maior se tivesse sido narrado pelas meninas, ou até mesmo pelos pais delas!
      Fico feliz em saber que se interessou :D.

      Beijão

      Excluir
  2. Oi Mô!
    Como disse lá no IG, já li esse livro e minha resenha não foi mais explicativa que a sua, pois, também tive a sensação de ter perdido algo no meio do caminho e não ter encontrado. Achei interessante sei ponto de vista em colocar que a trama narrada pelos vizinhos são para na verdade deixar realmente o leitor no escuro. Não tinha pensado nisso, e realmente faz todo sentido. As mortes das meninas são trágicas e cruéis, e dói ler isso, foram momentos duros de ler, e mais alguns da por não saber como ajudar as meninas. Terminei a leitura me sentindo meio impotente. O filme eu assisti há muitos anos, em 2002 ou 2003, não tenho certeza, e me chocou um bocado, me lembrei bastante do filme enquanto lia, mas, não posso dizer se é totalmente fiel, mas, realmente muito parecido.
    Adorei o post, Mô!

    Beijoooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Cecy!
      Sim, a leitura é bem tensa, principalmente quando o autor descreve os suicídios das meninas, é uma sensação ruim demais! Também senti essa impotência.
      Quero assistir em breve com as informações do livro ainda frescas.

      Beijão

      Excluir
  3. Oi, Mô!
    Muita gente me indica esse livro, mas ainda não li. Agora que sei que ele é narrado pelos vizinhos, não sei se a história vai me agradar muito...
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe das promoções em andamento e ganhe prêmios maravilhosos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lu!
      Diferente, né? Era esperado que a narração ocorresse pelas meninas ou até pelos pais...
      Mas leia, acho que todo o caminho de leitura vale a pena.

      Beijão

      Excluir
  4. Ainda não li, parece ser interessante, mas vejo que não teve muita emoção a respeito das respostas para os suicídios, as capas também não atraem tanto para o contexto, mas o tema é muito importante. Quero sim a ver a comparação com a adaptação cinematográfica.

    submersa-em-palavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Monyque!
      Não teve mesmo, infelizmente. Mas realmente, o assunto é muito importante!!
      Pode deixar, vou tentar assistir em breve :D.

      Beijão

      Excluir
  5. Oi, Mônica. Vi esse livro na prateleira da saraiva hoje mas achei o título muito estranho, por isso não quis comprar, e acho que a história não me cativaria justamente pela falta de respostas. Talvez seja legal refletir sobre o suicídio mas dá pra fazer isso com leituras melhores e mais proveitosas.
    Beijos
    http://www.leitoraencantada.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Miriã!
      Sim, é uma leitura bacana para reflexão, mas a falta de respostas me deixou desanimada. Concordo com você, há outros livros que podem trabalhar melhor a respeito.

      Beijão

      Excluir
  6. Esse já é um clássico que conheço mas nunca o li, nem sabia que tinha uma adaptação, já quero ver! =)

    MRS. MARGOT

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!!
      Espero que leia um dia! Estou muito empolgada para ver ao filme :D

      Beijão

      Excluir
  7. Oie.
    Já faz um tempo que eu li a sinopse desse livro, só que ainda não tive oportunidade de ler e lendo a sua resenha aumentou ainda mais minha vontade de dar uma lida neste livrinho rsrsrs

    ResponderExcluir
  8. Oi Moni!
    Eu gostei mais dessa capa do que a original (me lembrou as capas da Sarah Dessen). Eu gostei da sua resenha, e de como você foi sincera com toda a obra. Mas vamos ser sincera, que esse seria um livro para fugir da rotina. Os temas abordados, alguns são delicados e me parece que a narração deixou a desejar...
    Espero ler o seu post sobre a adaptação, quem sabe eu não gostei mais do filme do que do livro?!

    Beijoss, Enjoy Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lissa!
      Ai, eu não gostei de nenhuma, hahah, mas prefiro a original mesmo! Lembra mesmo!!
      Pode deixar, linda!! Vou tentar trazer o post do filme logo :D

      Beijão

      Excluir

Olá! Deixe seu comentário. Eu vou adorar ler e respondê-lo. <3